Archive for ‘Itália_Roma’

06/03/2011

75 :: PIAZZA NAVONA. HISTÓRIA, ARTE…

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…MÚSICA E UM SORVETE ESPECIAL

FONTE DOS MOUROS. BERNINI? SÓ NA ESCULTURA CENTRAL

Há uns meses tive um sonho. Eu estava em uma praça barulhenta, muita gente falando…lugar animado.
No sonho eu me esforçava para entender onde era aquele lugar mas não conseguia ver, apenas ouvir. Estava sentada em um banco e ali fechei os olhos e como um cego me concentrei nos sons e no idioma.

Itália! Eu estava na Itália, em Roma, na Piazza Navona!
No sonho, joguei a cabeça para trás, relaxei e pensei: “Vou ficar aqui, de olhos fechados apenas ouvindo as pessoas falando em italiano.”

E acabou. Pena que era sonho.

A Piazza Navona é conhecida por ser uma das praças mais bonitas do mundo.
O formato da praça – em nave, por isso o nome Navona – é o mesmo do local sobre o qual ela foi construída, o Stadio di Domiziano, nome do imperador que mandou construí-lo no ano 86 d.C. (dizem que tem um buraco meio escondido de onde se vê as ruínas deste estádio).
A praça é circundada por prédios em arquitetura barroca, de uma reconstrução de 1664. Da mesma época são as fontes de Bernini: Del Moro e Dei Quattro Fiumi (em restauração quando eu fui) que simboliza os quatro rios do paraíso – Danúbio, Nilo, Prata e Ganges – e os quatro continentes do mundo conhecido na época: Ásia, África, Europa e as Américas.

Nem sei explicar o motivo pelo qual gostei tanto dela, nem tem jardins…
Acho que são os prédios, o colorido, as pessoas, os artistas, o número de turistas misturados aos velhinhos italianos. Ou talvez tenha sido um golpe de sorte tê-la conhecido em um dia outonal de 20 e poucos graus, céu azul, músicos tocando clássicos italianos em seus acordeons e uma simpática senhora rodopiando em torno de si, pela simples felicidade de estar…feliz? É, ela parecia feliz e meio embriagada.

É isso, esta piazza me deixa feliz.

FONTANA DEI QUATTRO FIUMI, EM OBRAS

E tem um restaurante-café-gelateria, hum…a Tre Scalini, antiquíssima.

Em casa ela é lembrada como o melhor sorvete da vida do meu marido: amarena variegata (nada mais nada menos que sorvete de nata com veios de cereja).

Não sou tão tarada por sorvetes ao ponto de lembrar o sabor do meu mas não resisti e entrei neste link, ó: a webcam na Piazza Novona.

Alguém mais está ouvindo, bem ao fundo, “The Godfather”? Não? Não?

05/02/2011

70 :: PEDIR UM CAFÉ EM UM PAÍS ONDE O…

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…CAFÉ TEM QUASE (QUASE?) A MESMA IMPORTÂNCIA DE UM ESPORTE OLÍMPICO

No mesmo café onde comi meu primeiro cornetto italiano foi onde vi, in loco, o que já tinha visto na animação onde Bruno Bozzetto satiriza as diferenças entre os italianos e o resto da União Europeia.
É uma bagunça danada, um bolo de gente pedindo: caffè normale, latte macchiato caldo, latte macchiato freddo con cioccolata, corto, nero, espresso. Haaaaaaaaaaaaaaa! Socorro.

Bem que fiquei procurando a lista interminável escrita em algum lugar, um quadro destes que tem em São Paulo com os preços do pão com manteiga, sabe? Não tinha. Acho que pedi um cappuccino – ainda bem que era cedo pois fiquei sabendo depois de cappuccino só se pede até as 11:30 (oi?) depois é ofensa.
Logo descobri meu café: café com leite clarinho, dois dedos de espuma, chocolate em pó por cima, sujando o pires que vinha sob o copo alto, de alça e pezinho, uma espécie de xícara-taça. Ou seja: latte macchiato caldo (muito importante, senão vem freddo!) con cioccolata. Agora sei mas antes de descobrir tomei vários que, ora faltava o chocolate, ora a xícara alta de pezinho, ora era escuro demais…

Pedidos que parecem tão especias (con schiuma, sensa schiuma, freddo, calda, ristretto, lungo…) são cantados no bacão onde os atendentes fazem a mágica de desfazer o bolo de gente rapidinho, sem ajuda de bloquinho de anotações, até outra horda esfomeada por doces e cafés invadir o recinto. Por alguns dias observamos os mesmos operários, engravatados, jovens barulhentos, a mulher chique de bicicleta, o homem acompanhado de seu cachorro vira-latas que era a cara do meu médico – o homem, não o cachorro – se acotovelando para o ritual do café antes do dia começar.

E para todos que iam, a saudação: una buona giornata.

Uma lista de um monte de maneiras de pedir café em italiano. Sensacional.
Nota da autora: até hoje meu marido  me faz este leitinho, com a xícara igualzinha que ele comprou aqui  mesmo, em São Paulo.

 

27/01/2011

69 :: COMER SEU PRIMEIRO, SEGUNDO…

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…TERCEIRO, CORNETTO EM ROMA

Croissant, media luna ou cornetto para os romanos – minha versão preferida, um sonho atiçado por uma reportagem que tinha lido, ponto para as reportagens de viagens bem escritas.
Nomes diferentes para uma coisa bem parecida, um clássico folhado de padaria.

Na mordida percebe-se aqueles furinhos tão característicos da massa levemente amanteigada, folhada por dentro e crocante por fora.
O simplezinho, sem nenhum recheio, já satisfaz, lógico. Porém, meu preferido é o recheado com Nutella.
Antes de espalhar (e derreter) pela sua boca, preenchendo cada cantinho com uma mistura incrível de calorias felizes pode-se dizer que ocorre uma sequência de experiências quase espirituais.
Pense num massa fresquinha, delicada, pouco resistente. Agora se imagine mordendo esta coisa boa.
Ouve-se o barulhinho de “creck” da camada crocante da danada cedendo, depois a leve nuvem de açúcar de confeiteiro paira por segundos em frente ao nariz. Logo em seguida vem a travessia da massa folhada macia, levemente amanteigada.

Os dentes e a língua atingem o creme de avelã que, sem prática, pode fugir para os cantinhos da boca – apenas mais uma detalhe para fechar o cenário quase infantil de migalhas e açúcar espalhados pela roupa.
Precisa-se prática para acertar a mordida sem esta sujeira toda e para se conseguir a prática nada melhor que treino. Treina-se também em outras versões  igualmente deliciosas: massa integral com mel, recheado de geleia de diversos sabores, chocolate amargo, creme…

E me lembro do meu primeiro cornetto em um boteco perto do meu Bed and Breakfast numa ruazinha nos arredores do Coliseu – que era só bed e o dono ranzinza dava um vale breakfast para este café da vizinhança. Saímos ganhando, era um lugar bem interessante. O nome? Não sei. Uma foto? Não deu tempo. Talvez, vendo no google? Achei ó: este é o link com a foto meio de lado do bar, onde tem aquela letra T.

É bem provável que em outro boteco meio encardido, num charmoso café ou em um pastifício chiquetoso tenha um bom cornetto te esperando, pronto para ser mordido com…gula? Não, não é este o pecado capital associado a ele. Luxúria cai melhor, muito melhor.


16/05/2010

20 :: FAZER COMPARAÇÕES

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…ENTRE CIDADES E MULHERES

Gostar ou não gostar de um lugar é como se apaixonar por uma pessoa. As vezes, sem nenhum motivo especial pega. Em outras tem tudo pra dar certo, mas não vai pra frente.
Estive pensando nisso, em como as cidades parecem pessoas – mais especificamente com mulheres – com sua vida própria, com suas tensões, interesses, humores, charme e beleza.

ROMA
É uma senhora, das chiques.
Mas não se iluda, esta senhora pode pirar (com a ajudinha de algumas taças de vinho, lógico). Ela não chega a se descontrolar totalmente e nunca perde o charme, qualidade que lhe é nata.
É daquelas senhoras que envelhecem bem, com uns toques muito sutis aqui e ali, só pra dar uma ajudinha para o que já é bonito. O grande cuidado é não deixar claro que houve uma intervenção, afinal, ela acredita que deve-se envelhecer com muita dignidade.
Ela se veste bem, a danada,  e mesmo sendo uma senhora ainda tem aquela cruzada de perna estilo Sophia Loren, só pra não perder o encanto e se lembrar que é (e sempre será) uma bela Donna.

BARCELONA
Uma mulher moderna, não muito velha – nem muito nova.
Ela usa óculos de aro grosso, quadrado e escuro. É meio petista, sabe? Seu único defeito. Tem lá seus ideais e faz o tipo meio anti social em alguns meios (característica polêmica esta).
Talvez você não se apaixone por ela de cara. Ela não chama a atenção pela beleza mas quanto mais você a conhecer mais vai se encantar. Três dias intensos serão o suficiente para nascer uma história de amor ou pelo menos uma paixão. É que esta é uma daquelas inteligentes – e interessantes.
Ela sabe das coisas, se veste de um modo pouco convencional mas só o que lhe cai bem (e mesmo se não lhe caísse não liga muito para a opinião alheia) só não abre mão do seu estilo.
E vou logo avisando, ela pode ser um pouco agressiva a primeira vista, a intenção é mesmo espantar alguns indesejáveis. Mas é uma mulher do mundo e se você se der ao trabalho vai perceber que pode ser bem simpática.
Uma informação muito importante: ela não dorme.

PARIS
Esta mulher é top, top model. Magérrima. Não é falta de confiança (longe disso!) mas ela faz questão de estar dentro de alguns padrões.
É bem possível que você se apaixone de cara pela sua beleza e seus clássicos olhos azuis. Ninguém é perfeito, o defeito dela é ser um pouco superficial mas nem faz questão de ser diferente disso. É bem feliz com o que tem e não inveja nenhum atributo que outra possa ter. Exibida, só pode se dar ao luxo de fazer isso porque é bonita.

MARRAKESH
Esta mulher é bem complicada. Só dá pra conhecê-la se for aplicado. Por baixo de panos e panos existe uma mulher extremamente interessante. Aparentemente é um pouco recatada e tem uma inclinação ao puritanismo, mas é só fachada. Não espere dela grandes noitadas, não é dada a isso por cuidar muito bem de sua imagem.
Aposte em seus temperos picantes, se não for acostumado cuidado, pode até te fazer mal. Mas depois que se acostuma pode virar um vício e um dia você pode se pegar suspirando de saudades dela.

SÃO PAULO
É uma mulher louca, de múltiplas personalidades e bipolar. Uma verdadeira perdição.
Ela muda de cara toda vez que precisa e isso faz dela uma pessoa pouco confiável. Pode ser patricinha, suburbana, perua, sacoleira, chique e barraqueira! Ela só se preocupa com uma coisa: estar na moda. Pronto, São Paulo é uma drag queen!

04/05/2010

16 :: ENCONTRAR UMA GARRAFA…

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…COM SEU PRÓPRIO NOME

Encontrar estas coisas não depende de procurar, mas de acontecer.
Adorei ter uma garrafa com meu nome, ela veio de Roma direto pra casa no meio das minhas roupas sujas na mala. Era uma água com gás sem graça e bonitinha, exatamente como as mulheres não devem ser!

07/04/2010

3 :: SE DESLUMBRAR AO SE VER…

por 1000 coisas para fazer antes de morrer

…EM UM CARTÃO POSTAL

Eu admiro gente que não vai a lugares turísticos, os ditos lugares óbvios. Ô gente descolada e viajada! Adoro isso.
Mas admito, eu também adoro (a-do-ro) um cartão postal e a sensação de estar bem na foto! Me mata se isso não for uma das coisas mais gostosas da vida, ou pelo menos de uma viagem. É se sentir o próprio anão da Amelie Polain.


Olha um bom exemplo disso.
Viagem marcada pra Roma. E eu tinha lido uma matéria onde a repórter dizia que desceu na estação Colosseo do metrô, subiu as escadas e deu de cara com o Coliseu e, lógico, foi emocionante demais.
O Coliseu nunca foi meu maior sonho de cartão postal mas esta coisa despretenciosa de escada de metrô, este negócio meio sem querer de sair na rua de vento na cara! Sei lá, achei que poderia ser uma sensação e tanto. Pra ajudar eu sou do tipo que idealiza (demais) as coisas e em 90% das vezes danço, lógico. Mas como nem tudo pode ser programado numa viagem e as melhores coisas sempre são por acaso, desencanei.
E lá fomos pra nossa viagem, com conexão, em época de caos aéreo. Uma viagem longa, cansativa, com direito a um belo atraso em Cumbica e perda da conexão em Lisboa. Tudo errado.

Ao chegar em Roma a única coisa que eu queria era achar o nosso Bed and Breakfast de uma família de fotógrafos (outra história de doer esta) me jogar na cama e dormir. Resolvemos economizar grana do táxi, fazer Aeroporto-Termini de trem e Termini-Colosseo de metrô e só depois pegar o táxi.

Delícia, nossa primeira visão da Itália diante dos nossos olhos. Sonho, sonho!
O metrô encardido parecia tão lindo, os olhos pintados das mulheres, meio borrados, tão estilosos e os caras carecas, com 1,60m de altura e 2 de ego, super charmosos. Uuhhh, Itália. O cansaço até passou um pouco. Falta só a escada (que não é rolante) pra chegarmos na rua, uêba.

Bofes pra fora, sentindo o vento frio no rosto e abrindo a boca pra berrar “Táxi, táxi” e…ã?!
O Coliseu, o Coliseeeeeeeeu! Meu Deus, eu não estava esperando, pensando e nem sonhando e foi surpresa! Eu tinha esquecido do lance do metrô-escada-Coliseu.

A minha primeira visão de rua de Roma e do Coliseu foi meio desfocada, meio molhada, enfeitada de abraços e pulinhos patéticos e infantis num corpo de bem mais que isso. Mas valeu a pena ser boba por 30 segundos.

Como é bom viver!

………………………………………………………………………………………………….

• É importante saber como se locomover no lugar visitado. Em Roma, pelo adiantado da hora de chegada fomos direto comprar o bilhete do metrô para aquela noite. Vi um tal bilhete 24 horas e o preço era atrativo. Compramos dois, feliz com a economia. Só que não lemos as letrinhas pequenas. O bilhete não valia por 24 horas e sim até as 24 horas. Conclusão, na manhã seguinte já era…

• A cidade de Roma oferece um passe, o Roma Pass que dá direito a transportes (metrô e ônibus), dois ingressos grátis em museus e/ou atrações, inclusive o Coliseu sem filas e descontos no preço do ingresso depois disso. Custa 25 euros por pessoa e pode ser comprado pela internet ou na Estação Termini.